sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Felicidade de verdade

E de repente a felicidade nos encontra. Se temos tudo aquilo que merecemos, então ser feliz só me fez concluir que ninguém é tão ruim que não mereça ser feliz. E que ser feliz não seja um destino final, seja uma eterna viagem. Todos os dias temos a maravilhosa oportunidade de sermos felizes novamente. A escolha é só nossa. Com o tempo aprendi que jamais seremos reconhecidos da forma que queremos, temos que aceitar as pessoas como elas são e não tentar mudá-las, porque mudar ninguém muda, só melhora por quem merece. Com o tempo aprendi que definitivamente não há melhor professor que o sofrimento, quem não aprende quando sofre, talvez jamais aprenda algo. Aprendi que estamos muito longe da perfeição, todos nós, mas podemos sim tentar sempre fazer o melhor pelos outros e por nós mesmos. Aprendi que tudo que desejamos e fazemos volta de alguma forma para nós, há quem chame isso de karma.  Tudo que fazemos de bom ou de ruim é devolvido em algum momento. Então se alguns não foram capazes de reconhecer o bem que fazemos, outros o farão. Não é se arrependendo de tudo de bom que fizemos que vamos ter retorno. Afinal a vida só tem sentido mesmo se for para fazer o bem, para desejar o bem, quem o faz terá seu retorno, pode não ser hoje nem amanhã, mas em algum momento o grande plano que Deus tem pra nós se revela. E eis que em minha vida este plano se revelou sob a forma mais interessante do mundo, confesso que acho que o destino tem uma forma realmente interessante de agir. Ainda mais quando a pessoa mais improvável do mundo volta a fazer parte de nossa vida. Eis que um dia reencontrei um amigo que trabalhou comigo há 10 anos atrás e nossa, como temos coisas em comum. Devagar e sempre, fomos nos conhecendo novamente, dessa vez de uma forma diferente de quando éramos mais jovens. E a vida ou o destino tratou de fazer com que nos reencontrássemos novamente. E então a cada passeio divertido e em boa companhia, passei a ver que Deus tem mesmo um grande plano para nós. A felicidade de estar no caminho às vezes é suficiente para nos deixar contentes, nos fazer esquecer o passado, e nos ensinar a perdoar os outros e a nós mesmos. Não se ganha nada se sentindo eternamente culpado por ter errado, temos que aprender com os erros, com o sofrimento que passamos e tentar ser melhores a cada oportunidade que tivermos. Que sejamos todos felizes, que encontremos pessoas com as quais nos identificamos de verdade, que aceitam nossos defeitos e que sabem que mudar não acontece de um dia para o outro, afinal mudar mesmo ninguém muda, só melhora por quem merece. Que sejamos merecedores das melhores coisas da vida, afinal não estamos aqui a passeio. Tudo na vida é assim, se deu certo é felicidade, senão deu é aprendizado.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Realizando um sonho de 20 anos atrás

Quando eu tinha 15 anos eu era super fã de boybands, BSB, Five, N'Sync, todas que viessem povoavam o meu imaginário dos 15 aos 18 anos. Eis que tive a sorte de algumas dessas bandas voltarem à ativa nos idos de 2010 para frente. E mais especificamente em 2015 quando fiz 35 anos, os BSB iriam se apresentar na minha cidade com sua formação original. Era uma oportunidade única, Realizar um sonho de 20 anos atrás era algo inimaginável para mim até o momento. Em março abriram as vendas, o show seria em junho, mês do meu aniversário. Entrei no site correndo e os ingressos foram desaparecendo mais rápido do que era possível ver os valores e escolher os ingressos. Foi então que minha amiga e eu não conseguimos em ingresso de camarote.  Fiquei triste, mas não arrasada, estava disposta a pagar o preço que fosse para ir, até viajar pro Rio ou São Paulo estava disposta e nem lá conseguimos ingressos. Então cogitei ir para a porta do local do show no dia e comprar de cambistas. Eis que poucos dias antes do show minha amiga avisa que haviam saído mais ingressos do quarto lote para venda e ela havia comprado para nós dias. Pirei totalmente, quase fiquei sem dormir de tanta ansiedade. A entrada para o show foi tranquila, tinha muita gente, umas 6 mil pessoas no Chevrolet Hall. Entramos, compramos água nada barata no bar do Chevrolet, então subimos para a arquibancada que é bem mais tranquila e confortável. O show começou com apenas 10 minutos de atraso e quanto eles entraram no palco, lindos, de terno azul, cantando e dançando The Call, minha música favorita de todos os tempos eu senti um misto de felicidade e tristeza, uma vontade imensa se chorar, foi inexplicável, como se minha alma tivesse saído do meu corpo e voltado 20 anos no tempo. E eles continuam incríveis, como se o tempo não tivesse passado, com a mesma perícia vocal e dançando lindamente como antigamente. Nossa, voltei no tempo, foi uma injeção de botox pra mim e para as minhas amigas trintonas. Lacrimejei um pouco, gritei muito e agradeci muito a Deus por aquele momento, por estar viva, por poder estar aqui naquele momento único, fiz vários mini vídeos para não esquecer a dinâmica do show. Eu e minha amiga gritávamos e dançávamos em todas as músicas e claro sabíamos ainda a letra de todas as antigas músicas. O que eu aprendi com isso é que devemos realizar mais sonhos, devemos sonhar mais e colocar em prática porque quanto ele se realiza não há nada nem ninguém que possa tirar isso de você. Ninguém poderá apagar este momento no tempo, então recomendo muito a todos que não importa o tamanho do seu sonho, não importa se ele é grande ou pequeno, se parece inatingível, lute por ele, corra atrás dele, mesmo que leve 20 anos não importa, não desista, a sensação que tive é que preciso realizar mais sonhos, pois realizá-los é necessário para sermos felizes. Então vou em busca do meu próximo sonho, que não tem prazo, ainda estou com 35 mas ainda vou realizá-lo e pretendo fazer isso logo e quanto realizar eu contarei aqui com muito prazer. Nunca desista dos seus sonhos, eles são o que te torna único e especial, li isso em algum lugar mas não sei de quem é a citação, se alguém souber, me avise. Até a próxima

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

O poder do vício

Muitas pessoas pensam que não sendo viciados em coisas ilícitas como drogas, armas, e nada ilegal já é suficiente. Que a bebida nem o cigarro, mesmo sendo lícitos não são um vício a ser seguido. Porém acham super normal sermos viciados em adquirir coisas. Comprar passou a ser algo tão importante na nossa sociedade de consumo que a sociedade se divide entre quem pode comprar um bem e entre quem não pode. O ser humano passou a ser menos humano em alguns círculos da sociedade senão puder ter um carro, senão puder ter uma boa casa, isso o faz não ter determinados tipos de amizades e frequentar certos tipos de lugares. Então comecei a me por a pensar sobre isso, porque sim, sou o maior exemplo do vício de comprar, já recebi acerto de 15mil e torrei em compras, roupas, sapatos e principalmente, produtos de beleza, meu maior vício. A felicidade em poder comprar algo para minha coleção me levava ao êxtase, sério, era melhor que sexo. E quanto a caixinha chegava ficava 3 minutos admirando tudo e logo deixava de lado, como uma criança que quer muito algo e quando ganha nem liga. Isso definitivamente não é normal. Fomos acostumados a achar que somos mais, que temos mais valor se pudermos comprar algo, algo que todo mundo tem ou que todo mundo quer. Fomos acostumados assim, mas acredite, há como viver diferente. As pessoas mais felizes do mundo viverm num país que é quase todo uma imensa zona rural, sem tv, sem ar condicionado, sem sinal de celular e grande parte nem tem energia elétrica. Por que afinal, se temos tanto, passamos cada dia a querer mais e mais? Afinal estamos vivendo para nós mesmos ou para os outros? Trabalhamos para ter conforto ou luxo? Compramos o que realmente precisamos ou somente o que queremos? Se soubermos a resposta para todas essas perguntas podemos nos ajudar de verdade. Pois minhas respostas são, trabalho para ter mais que conforto, para ter luxo, porém não ganho pra isso, sou classe média-média, não tenho carteira nem carro, mas tenho o valor de um carro importado em produtos de beleza, isso é excesso, é luxo, algo que realmente não preciso. Deixo de comprar o que preciso para comprar somente o que eu quero, algo raro que ninguém tem ou que poucos tem e todos querem. Realmente preciso refazer minhas prioridades.

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Felicidade


E eis que de repente a felicidade te encontra, numa esquina qualquer, num momento único preparado pelo destino. Um cara batalhador, bom, gentil, e que não acha especial. E uma moça, ora loira, ora de cabelos coloridos, bonita, que cresceu achando que era patinho feio e que só teve relacionamentos complicados. E é incrível que quando tem que ser vai ser. 
Passamos a vida toda tentando encontrar alguém que nos transborde, alguém 
que nos torne melhores, mais felizes do que éramos sozinhos. Alguém que nos compreenda e acima de tudo, nos aceite como somos. Exatamente como somos, com todos os nossos defeitos e todas as nossas qualidades. Tenho aprendido que o ideal é ser feliz e não perfeito. O imperfeito é capaz de nos fazer felizes, a seu modo. E é como se nada mais importasse, como se tudo mudasse quando estamos juntos. O quanto o mundo inteiro se ilumina quando ela abre seu sorriso largo, tal qual a música do Guilherme Arantes "Pra nunca perder esse riso largo, e essa simpatia estampada no rosto". E como ela fica ruborizada ao ouvir o quanto ele a acha linda, como se ela estivesse ouvindo isso pela primeira vez na vida. E é incrível mas cada relacionamento é uma nova história, são pessoas novas, que não se conhecem tentando se acertar, encontrar um denominador comum. E tudo é novo, empolgante, cada encontro é uma nova aventura, uma nova experiência. E como é bom voltar a sentir as borboletas no estômago. É muito bom encontrar alguém que te valorize acima de tudo, que considere importante fazer parte da sua vida, frequentar a sua casa, conhecer sua família, alguém que esteja realmente disposto a fazer parte da sua vida, Isso é raro, e único, alguém que te busque no trabalho todo dia, que sempre te leve flores e bombons, que demorou quatro encontros pra te dar um beijo de verdade, alguém realmente único. Um cara mão aberta, que te leva nos melhores restaurantes da cidade, que tem orgulho de mostrar ao mundo que a mulher linda e encantadora que está ao seu lado além de ser sua melhor escolha, é a escolha dela também. 
Quando isso acontece, quando o amor é verdadeiro, é independente de crenças, de preconceitos, quando finalmente podemos ser quem realmente somos, quando temos a total liberdade para dizer o que pensamos aí sim a vida se torna mais leve e mais prazerosa. De fato atraímos o que emanamos, se você faz o bem também o recebe. E então tudo começa a andar nos eixos, tudo começa a dar certo. O amor de fato é para todos, principalmente para aqueles que o merecem. Felicidades a todos. 

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Ele está sempre presente

Quem é ele? Pra mim é Deus, não importa seu nome em outras religiões, mas acredito que sim, há alguém olhando por nós e torcendo por nós o tempo todo. E ele se mostra presente em todos os momentos se formos espertos o suficiente para notar sua presença. Algumas vezes eu principalmente me sinto tentada a infernizar a vida de um desafeto ou outro, xingando, humilhando, ofendendo, botando medo, mas então eis que mesmo com o diabo e suas hordas nos tentando o tempo todo, Deus sempre mostra sua presença, seja com uma música que insiste em tocar no seu ouvido dizendo exatamente o contrário, ou um amigo que de repente liga ou manda mensagem dizendo que está com saudade e que você enfim é uma pessoa especial. Ceder à vontade de fazer o mal de qualquer forma só nos torna pequenos, involuídos, fracos. Os fortes são aqueles que vencem não só as tentações de fazer o mal, de procurar o caminho mais fácil, mas também são aqueles que crescem e evoluem mesmo diante das adversidades. 
Ninguém é feliz todo dia, nem todos os dias são bons mas todos os dias temos a oportunidade de fazer o bem ou o mal e os fortes escolhem fazer o bem, os maus sempre serão maus por cederem e não serem fortes o suficiente para superar as dificuldades da vida e descontar nos outros os seus problemas. Se há uma coisa que demorei para aprender mas aprendi é que o ser humano só atrai aquilo que ele emana. Se todo mês tudo na sua vida dá errado, nada dá certo é porque algo você fez e precisa se redimir e não é só com Deus, é com as pessoas às quais você fez mal. Agora se você se redimiu, se perdoou, evoluiu e seguiu em frente de uma forma diferente, se mudou para melhor pode acreditar, aos poucos vai tudo dando certo. Comigo foi assim, eu sou a prova viva de que enquanto se guarda rancor, raiva e vingança no coração nada anda. Só anda quando crescemos, quando aceitamos nossas dificuldades, nossos defeitos, perdoamos os outros pelos seus erros e a nós mesmos principalmente, então é somente aí que tudo vai dando certo, trabalho, faculdade, dinheiro, amigos, amores, nunca falta, nunca há de faltar para quem tem fé e é capaz de admitir os próprios erros. Rezo todos os dias pelas pessoas que eu amo, pelas que amei, pelos amigos e pelos inimigos, afinal estes são os que mais precisam de Deus no coração e na alma. Que Deus esteja sempre conosco, não importa nossa crença, nossa cor, nossa condição social, Deus não vê defeitos e não tem preconceitos, espero que nós também não. Que sejamos todos dignos de perceber a presença de Deus em nossas vidas, seja nos livrando da morte iminente, das más companhias e daquelas que nada mais acrescentam às nossas vidas. Que possamos emanar o bem para receber sempre o bem.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Como algo grave pode mudar os seus hábitos para sempre

Eis que um dia comecei a sentir uma dor estranha na lateral do corpo indo em direção às costas na altura da cintura.  Tomei um analgésico, pois achei que era muscular e melhorou. No outro dia após o almoço, eu estava trabalhando e a dorzinha chata voltou novamente, dessa vez mais forte. Eram 15h mais ou menos do dia 29/12/2014 e eu pedi para sair mais cedo e ir ao hospital porque a dor estava aumentando e eu precisava descobrir o que era. Fui ao pronto socorro do meu plano de saúde e fui atendida rapidamente mesmo passando pela triagem e ficando com a pulserinha verde, o que nos faz mofar nos PS da vida. Mas desta vez até que foi bem rápido. A médica perguntou há quanto tempo sentia essa dor, se tive infeccção urinária há pouco tempo, eu disse que sim, que há duas semanas tive um princípio de infecção ai fiz como sempre faço, meu automediquei tomando nimesulida. Eis que a doutora disse que precisaria de mais exames para saber mas que este poderia ser o problema. A automedicação não combase a causa da infecção, as bactérias, alivia o ardor ao urinar, mas pode tornar as bactérias resistentes. Fui medicada com algunas analgésicos intravenosos pois a dor estava se tornando insuportável, fiz vários exames, de urina, de sangue e ultrassom e fiquei mofando no PS quase 4 horas para esperar os resultados. Mas pelo menos depois dessa novela sairia de lá sabendo o que eu tinha. Bem, quando os exames ficaram prontos voltei à doutora e ela disse que no ultrassom não aparecia nada. Mas que o exame de urina acusava que minha infecção já teria chegado até o rim, provavelmente no direito por estar dolorido. Ai ela me deu uma dura dizendo que o excesso de automedicação provavelmente fez isso, para que abolir a nimesulida e não sair tomando a torto e a direito pois ela poderia tornar as bactérias resistentes e mascarar outros problemas mais graves. E ainda disse que meu caso ainda era tratável em casa, mas se estivesse um pouquinho pior teria que me internar para tomar medicamente intravenoso até melhorar de verdade. Pois é, depois de toda essa saga continuei o tratamento em casa e comecei a ter febre, perda de apetite, moleza e tal. Felizmente a dor no rim passou. Mas então o que eu aprendi com isso? A parar de me automedicar. Sei bem como é, nós adultos temos a péssima mania de achar que uma dorzinha não é nada muito grave. Aí corremos para os remédios de venda livre e alívio momentâneo para sanar o problema e continuarmos com nossa rotina corrida. Mas os problemas que isso acarreta não tem preço, então recomendo a todos que não se automediquem, não tornem suas bactérias mais resistentes do que já são. 

terça-feira, 26 de maio de 2015

O que tenho aprendido com meus novos amigos

O primeiro é o Marco, um velho amigo que reencontrei quase 10 anos depois de ter trabalhado com ele. Um cara realmente de verdade. Um cara que me fez voltar a ver a pessoa incrível que sou, ele sempre me elogia, mas não exagera. Um cara que topa qualquer programa, desde o cinema num shopping super longe, até uma tarde no clube e uma boa costela no Outback, um cara pra quem todo dia é como se fosse domingo, um cara que acorda agradecendo por mais um dia para poder fazer o bem. Um dos caras mais admiráveis que já conheci, um cara que sempre me leva e busca em casa, um cara que está sempre a disposição, que nunca escondeu gostar da condição de ser solteiro convicto, um cara que luta todos os dias para ser o melhor tio, o melhor filho e o melhor amigo de todos. Um cara que sempre se oferece para me ajudar, um cara que sem pensar duas vezes se ofereceu para me fazer companhia no hospital quando fui recentemente visitar a emergência com dor nos rins. Um cara que realmente é uma pessoa admirável, um cara que no segundo encontro me levou na casa dele, que dormiu comigo na mesma cama e nem tentou me beijar. E no primeiro encontro me buscou, me levou em casa, não me deixou gastar nada. Não é atoa que fiquei muito encantada, é um gentleman, não se encontra tipos assim em qualquer esquina muito menos em qualquer apps da internet. Tem que procurar muito mesmo.
O que eu aprendo com ele todos os dias: que devemos reclamar menos da vida, e agradecer mais, que devemos querer sempre mais, mas com o esforço do nosso trabalho, uma pessoa que me ensina a me policiar ao julgar os outros, a me colocar no meu lugar de mera humana, que erra muito e que precisa melhorar todos os dias, sou grata todos os dias por tê-lo reencontrado.

O segundo é o Leandro, o engenheiro com uma filha de 10 anos. Leandro é um gentleman também, no primeiro encontro me levou para almoçar e nossa, ele é muito alto, tem 1,95 eu acho, 32 anos, negro-gato. Divertido, inteligente, fala pouco, ri de todas as minhas histórias e se diverte na minha companhia. Não me deixou pagar o almoço no primeiro encontro, achei uma graça. No segundo fui encontrar com ele num bar em que estava com os amigos, me apresentou a todos eles, não queria que eu ficasse sozinha lá, pois ele mora perto e ia em casa dar uma arrumada. Depois que o encontrei, me apresentou a todos os seus amigos, que foram super legais comigo e alguns deles tem histórias ótimas para contar de viagens, de costumes internacionais, o papo é sempre muito bom. Porém um amigo dele queria levá-lo a um bar novo no novo point de BH, a Alberto Cintra. Fomos a um bar descolado e eu achei gracinha que ele não largava da minha mão, me beijava e rimos muito das histórias engraçadíssimas desse amigo dele. Depois ele insistiu que eu bebesse um drink enquanto eles bebiam cervas, ambos meiaram a conta e ele novamente não me deixou pagar nada. No terceiro encontro ele me levou à sua casa, uma casa linda, enorme, me recebeu como um gentleman e me levou em casa mais tarde. Realmente admirável, tenho que confessar, há muito tempo achava que os gentlemen não mais existiam mas eu estava errada. No quarto encontro ele me buscou em casa no seu Ecosport para passarmos a tarde de domingo juntos.
O que eu aprendo com ele sempre: leve a vida da forma mais leve e tranquila que puder, não estresse por pouco, viva um dia de cada vez, e viva-o intensamente, pois não sabemos o dia de amanhã. Faça dos momentos ruins bons momentos e aproveite-os como se fossem os últimos.

O terceiro é o Leonardo, 2,03m, ex-jogador profissional de basquete, 30 anos, dois filhos, dois carros. Um cara enorme de tão alto, e que tem a mente de uma criança, no primeiro encontro ameacei que se ele mudasse o caminho para me levar em casa em 10 cm eu gritaria e faria ele bater o carro, banquei a louca para não correr risco e nisso ele passou a me achar a mulher mais marrenta que já conheceu. Nosso primeiro encontro foi ele me buscar no trabalho, e eu tive que dar um beijinho de despedida. No segundo encontro me fez esperar porque ele trabalha até 23h, mas valeu a pena, ele é uma graça mesmo. Neste dia que nos encontramos, ele disse que seus amigos queriam conhecer quem era a loirinha marrenta que o tirou do bar. Desde então sou a loirinha mais marrenta de todos os tempos. No terceiro encontro fui ao apartamento duplex que ele mora no bairro Cruzeiro, e eu fiquei surpresa ao ver que ele estava vendo DVD's de Rebelde, muito divertido. Peguei uma chuva danada e ele foi logo me mandando tomar banho quente para não gripar.
O que eu tenho aprendido com ele: siga seus instintos, seja sempre você mesmo em tudo que fizer e não tenha medo, arrisque-se, você pode ser surpresas bastante positivas

O quarto é o Túlio, meu colega de trabalho que passei a ver com outros olhos, desde o dia em que fiquei sem companhia para ir a um casamento. Eu o chamei para ter companhia naquele dia, na mesma semana ele terminou com a namorada e foi comigo. E bem, nos divertimos muito e ele não tentou nada, achei uma graça. Depois disso, uma amiga do trabalho andou dizendo a ele que ele tinha chance comigo, e eis que o cara ficou animado com a ideia. E eu também, engraçado isso, você trabalhar anos com uma pessoa e passar a vê-la de maneira completamente diferente. Eis que conversa vai, conversa vem e de repente me vi beijando o cara num dia que ele me deu carona e nossa, me impressionou, fiquei realmente tentada. Depois do beijo percebi que precisava investir para ver até onde vai, porque quando rola uma química louca é melhor insistir, porque não é sempre que acontece. Então estivemos ensaiando sair algumas vezes embora deu errado várias vezes. Mas ainda estou na espera de ter algo mais. Mas o que tenho aprendido com ele: seja paciente, os tímidos são devagar, mas pode valer muito a pena. Não falo isso só para relacionamentos, mas devemos ser pacientes com tudo na vida. Porque o que tiver de ser será. Ele é realmente um cara admirável, 26 anos, estudante de engenharia, tem carro e sítio que comprou com o dinheiro do próprio trabalho além de ser um gentleman que me leva em casa, que paga a conta.
O que eu tenho aprendido com ele: seja verdadeiro e digno em tudo que fizer, seja correto com as pessoas e consigo mesmo sempre